Buscar
  • Rev. Renê Montarroios

Por qual motivo devemos pregar em Levíticos?

Quando nossas meninas eram mais jovens, tornamos prática regular ler a Bíblia juntos. Minha esposa, as meninas e eu nos sentávamos, no café da manhã, e, antes de sairmos pela porta, eu lia um capítulo, fazia alguns comentários e orávamos juntos. Em um ano, passamos por Gênesis e Êxodo – livros emocionantes!

E depois . . . chegamos a Levítico. Quando comecei a ler, imediatamente me perguntei: “O que essas menininhas pensam sobre a matança de todos esses animais”? Você sabe como as menininhas amam ovelhas, cabras e pássaros. Eu vacilei por um momento, mas sabia que era importante continuar.

Por quê? Porque Levítico é uma parte necessária de uma história que se desenrola. Gênesis responde à pergunta de como Deus proverá a Abraão os descendentes prometidos. Êxodo responde à pergunta de como Deus redimirá os escravos de Abraão da escravidão para trazê-los para a Terra Prometida. Enquanto as lutas de Israel com o pecado e a idolatria continuam, a pergunta permanece: “Como um Deus santo pode se relacionar com pessoas pecadoras”?

Levítico nos fornece resposta para essa pergunta. Ao mesmo tempo, Levítico também é um livro para nós hoje – porque ainda somos um povo pecador e Deus ainda é santo. Isso nos lembra de nossa necessidade da misericórdia de Deus e de um mediador fiel que expia nossos pecados.

Aqui estão cinco razões pelas quais você deve pregar esse livro do Antigo Testamento chamado Levítico.

1. Levítico nos lembra a graça de nosso Deus e o custo de nossos pecados (1–7)

Como povo da nova aliança de Deus, é fácil minimizar nosso pecado. Afinal, Jesus morreu na cruz e pagou a penalidade por nossos pecados na íntegra. Não precisamos mais levar sacrifícios diários ao templo – e louvar a Deus por isso! Mas essa mesma liberdade pode nos tentar a minimizar nosso próprio pecado. Levítico, por outro lado, nos lembra que o pecado custa caro.

Já em Gênesis 2.15, nos é dito que o salário do pecado é a morte. Não importa qual seja o pecado, merecemos a pena de morte. Mas em Levítico, nosso gracioso Senhor estabelece um sistema de sacrifício pelo qual os pecadores podem apresentar um substituto. Imaginem, toda vez que uma pessoa pecasse, ela deveria trazer um animal que receberia a pena de morte que ela merecia. Isso é graça!

Mas o sistema de sacrifício também nos lembra o custo do pecado. O substituto deveria vir do próprio rebanho do pecador. Imagine se toda vez que pecasse, você tivesse que voltar, pegar um cordeiro do seu rebanho e levá-lo ao sacerdote. E quando você trouxesse o cordeiro ao sacerdote, você o apresentaria como o substituto que receberia a pena de morte pelo seu pecado. E seria você, não o sacerdote, que cortaria a garganta do animal. Então o sangue jorraria. Pense em todo esse sangue – não apenas pelo seu sacrifício, mas por todos os sacrifícios daquele dia. Sob a nova aliança, não temos essa imagem pungente do custo do nosso pecado e como Deus o trata em nosso substituto. Levítico nos ajuda a ver a extravagância da graça de Deus e o custo do nosso pecado.

2. Levítico expõe a graça de Deus ao providenciar um mediador (8–10)

Porque Deus é santo, ele exige que um mediador fique entre ele e seu povo. Em Levítico, Deus separa seus ministros para que eles sirvam a ele e a seu povo (8–9). Mas também nos adverte que os ministros de Deus devem servi-lo como ele exige e não como eles decidem por si mesmos (10). Como aqueles que representavam Deus para o povo, os ministros de Deus deveriam ensinar ao povo de Deus tudo o que ele ordenava (10.11). E como aqueles que representavam o povo diante de Deus, eles deveriam promover a expiação (10.17).

Já em Levítico, essas perguntas estão sendo feitas: “Quem será o mediador fiel entre Deus e o homem?” “Quem promoverá a expiação pelo pecado”?

3. Levítico explica o que Deus exige daqueles que se aproximam dele em adoração (11–15)

No Êxodo 24, Moisés consagrou Israel como o povo de Deus, com base na aliança no Sinai. Agora, Deus explica como o Israel consagrado deve viver essa vida separada para que possam se aproximar dele em adoração. Levítico 11–15 enfatiza a distinção entre limpo e impuro, santo e comum. Aqueles que eram impuros não podiam se associar ao povo e não podiam adorar a Deus, mas foram feitas provisões para que os impuros pudessem ser limpos.

Embora possamos não saber exatamente por que essas leis foram dadas, com exceção de distinguir Israel das nações vizinhas, sabemos que a obediência a essas leis permitiu que o povo de Deus se aproximasse dele em adoração. Ainda assim, havia aqueles que nunca estariam limpos e nunca poderiam se aproximar de Deus em adoração. Além disso, quem tocasse alguém ou algo impuro também se tornaria impuro. Levítico faz com que almejemos alguém que, por seu toque, tornará todas as coisas limpas – alguém que estará disposto e capaz de se aproximar de Deus em adoração.

4. Levítico prenuncia o perdão do pecado no único mediador entre Deus e o homem, o homem Cristo Jesus (16–17)

Levítico chega ao clímax no glorioso dia da expiação – o dia em que todo o pecado de Israel foi perdoado. Sacrifícios foram feitos para purificar o templo e expiar os pecados do sumo sacerdote e do povo. Um bode expiatório foi apresentado como um substituto – sobre o qual os pecados do povo foram simbolicamente colocados. Esse bode expiatório foi então solto fora do campo, retratando a partida do pecado de Israel.

O escritor de Hebreus faz essas conexões para nós. Levítico 16–17 prenuncia o sumo sacerdote prometido, que também é o bode expiatório que tira os pecados do povo, pegando seu próprio sangue e borrifando-o no lugar mais santo. Precisamos pregar Levítico para lembrar que somente Jesus salva definitivamente.

5. Levítico descreve como o povo de Deus deve ser santo como Deus é santo (18–27)

Porque Deus é santo, devemos ser santos. Levítico descreve como Israel deveria se distinguir (ser santo) das outras nações em todos os aspectos de suas vidas. Levítico também destaca as bênçãos prometidas para os que buscam a santidade (26.1-13) e as maldições anunciadas aos que não o fazem (26.14-39). Ao mesmo tempo, a conclusão do livro expõe o coração misericordioso de Deus, que promete perdão a todos os que se arrependem de seus pecados (26.40-46).

Em dias em que a santidade é negligenciada, nosso povo precisa ser lembrado de que devemos ser santos como Deus é santo. Deus abençoa a santidade. Felizmente, o próprio Jesus assumiu as maldições da aliança mosaica e exerceu a perfeita obediência que a mesma aliança exige. Agora, todos os que se arrependerem de seus pecados receberão o perdão prometido em Cristo e, portanto, poderão se relacionar com o Deus santo.

Conclusão

Levítico não detalha apenas sacrifícios de animais e sistemas de santidade. Faz isso, mas faz muito mais. Expõe o coração de um Deus gracioso que providencia um substituto para o pecado de seu povo arrependido. Esse substituto não apenas recebeu a pena de morte em nosso lugar, mas também obedeceu em nosso lugar, ganhando para nós todas as bênçãos da santidade.

Agora, sob a nova aliança, Jesus nos capacita para uma vida santa, primeiro concedendo-nos um novo coração e o Espírito Santo. Irmãos, preguem Levítico. Por quê? Porque nele você encontrará o evangelho!

Comentários Favoritos

O livro de Hebreus – Hebreus é o melhor comentário bíblico-teológico sobre Levítico. Explica como Jesus cumpre a antiga aliança, destacando a linguagem e as imagens de Levítico: sacrifício, sacerdócio, sumo sacerdote, dia de expiação.

The Book of Leviticus, de Gordon Wenham. Wenham é um estudioso de confiança e fornece informações sobre o texto bíblico. Sua discussão sobre limpo / impuro, santo / comum é muito útil, assim como sua explicação da santidade como mais do que mera “separação”. Provavelmente, o melhor comentário sobre Levítico.

Holiness to the Lord: A Guide to the Exposition of Leviticus, Allen P. Ross. Este não é um comentário. Ele fornece algum contexto bíblico e histórico, mas é principalmente um guia para a exposição de Levítico. Não recomendo ir a esse comentário, ou a nenhum outro, primeiramente, mas pode ser um guia útil depois de você ter feito seu próprio trabalho.


fonte: https://voltemosaoevangelho.com/blog/2020/03/5-razoes-pelas-quais-voce-deve-pregar-levitico/




16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo